São Paulo, 21 de Setembro de 2020
09 06

Como fazer o diagnóstico de cranioestenose?

Por Dra Raquel Zorzi, às 19:48 - 09 de Junho de 2020 Indicar Natus TecnologiaImprimir Natus Tecnologia
Ultrassom de suturas marketing

Embora classicamente o diagnóstico de cranioestenose seja confimado com o padrão ouro - a tomografia de crânio com reconstrução 3D - outros exames vem ganhando destaque no diagnóstico desta doença. 

Em geral o primeiro exame solicitado (até mesmo pelo pediatra) quando há a suspeita deste diagnóstico é a radiografia simples de crânio (o famoso raio x). Porém, as radiografias assim como as tomografias são feitas com uso de radiação, e existe uma preocupação enorme com a exposição de crianças a radiação, sobretudo bebês muito pequenos. Isso porque já sabemos que muita exposição a radiação é fator de risco para uma série de tumores (câncer).

O ultrassom (USG) de crânio, mais especificamente o USG de suturas cranianas, já foi demonstrado em diversos estudos como sendo um ótimo exame inicial para descartar a cranioestenose, sendo subutilizado neste contexto e desconhecido por muitos profissionais que não trabalham com crianças. Oferece excelente imagem de superfície estruturas com potencial para confirmar ou excluir a fusão das suturas do crânio (cranioestenose), evitando a exposição a radiação ionizante nos bebês. A "lacuna" normal de uma sutura aberta ou obliteração na craniossinostose pode ser claramente demonstrado com USG de crianças com menos de 12 meses de idade em cerca de 99% dos casos. 

Duas considerações são importantes: 

1- O USG classifica a sutura como: aberta, fechada ou indeterminada. Embora a sutura aberta praticamente exclua o diagnóstico de cranioestenose, se a sutura está fechada ou não pode ser determinada, este bebê deve ser imediatamente encaminhado ao neurocirurgião pediátrico para continuara a avaliação adequada.

2- O USG é um exame que depende muito da capacidade técnica e do treinamento do médico que o executa. Sendo assim, um médico sem experiência neste exame pode não conseguir visualizar as suturas e dar um diagnóstico adequado. Por este motivo, é importante quando a suspeita de cranioestenose é alta que a criança seja encaminhada para avaliação do neurocirurgião pediátrico mesmo com exame de USG demonstrando "suturas normais e abertas". 

 

Quer aprender mais sobre a cranioestenose: Clique aqui

Quer saber mais ou agendar uma consulta? Acesse meu site draraquelzorzi.com.br

Comentários

Conheça a dra. Raquel

O conteúdo deste site é de caráter informativo e produzido e editado pela Dra Raquel Zorzi CRM 142761 - Zorzi Servicos Neurocirurgicos Eireli - Epp. Não nos responsabilizamos por decisões médicas ou de familiares baseadas no conteúdo deste site, em caso de dúvida consulte seu médico. © 2020 Todos os direitos reservados. Proibido a reprodução total ou parcial Natus Tecnologia